Projeto social

POR Mayra Marques 25/09/2017

Voluntários do Colégio Adventista de Juiz de Fora realizam projeto solidário em albergue

Encontros acontecem toda sexta-feira à noite. Foto: Mayra Marques

Encontros acontecem toda sexta-feira à noite. Foto: Mayra Marques

O Núcleo Cidadão de Rua em Juiz de Fora, Minas Gerais, é um local que acolhe moradores de rua do sexo masculino. Em média, cem pessoas são atendidas por dia pelo Núcleo. O local oferece pernoite, alimentação, higiene pessoal, atendimento técnico, encaminhamentos diversos e acompanhamentos dos casos, visando a superação da condição de rua.

E para contribuir com esses serviços, voluntários do Colégio Adventista de Juiz de Fora têm dedicado tempo para compartilhar esperança com esses cidadãos. Todas as sextas-feiras, a partir das 19h30, eles se reúnem com um grupo de homens que estão buscando sair da situação de rua e encontrar um novo sentido para a vida. O encontro acontece em uma sala simples do albergue, mas preenchida por amor, solidariedade e bons diálogos.

Dentre as atividades realizadas, os voluntários cantam, oram, compartilham experiências, ouvem o que os moradores de rua têm a dizer, aconselham e, em determinado momento, abrem a Bíblia e falam sobre Jesus. Os rapazes, que por livre e espontânea vontade decidem participar dessas reuniões, ficam atentos àquilo que está sendo compartilhado com eles.

Wesley Simplício é uma das pessoas que são atendidas pelo Núcleo Cidadão de Rua. Depois de participar de algumas reuniões com os voluntários, teve interesse de ir à igreja aos sábados também. Simplício diz estar gostando das reuniões, especialmente porque ele nota que as mensagens ali transmitidas estão surtindo efeito positivo em sua mente e de seus colegas. “Com essas reuniões a gente começa a pensar mais em Deus e não fica pensando em drogas”, comenta. “Que Deus dê mais forças para nós”, clama, solicitando a continuação dos voluntários no albergue para incentivá-los a permanecerem firmes.

Além dos funcionários do Colégio, uma mãe de aluno da instituição decidiu participar dessas reuniões de auxílio aos moradores de rua. Carla Gomes afirma ter abraçado a ideia desde quando ficou sabendo da iniciativa dos voluntários do Colégio. “Estou achando muito válido estar no albergue toda sexta-feira levando conforto àqueles que precisam. É interessante ouvir o que essas pessoas têm a dizer, porque elas também têm muito a falar sobre o dia a dia delas, como as dificuldades”, pontua Carla.

Doações do Colégio Adventista para o Núcleo Cidadão de Rua

Uma das atividades sociais desenvolvidas com os alunos do Colégio Adventista de Juiz de Fora durante o ano é a arrecadação de roupas para doação. No primeiro semestre deste ano, por exemplo, os estudantes foram motivados a arrecadarem cobertores para serem doados a uma instituição da cidade que também atende pessoas em situação de rua. A atividade foi realizada e concluída com sucesso.

Estudantes doam cobertores para núcleo de apoio comunitário

Desta vez, os beneficiados foram os homens que são atendidos pelo Núcleo Cidadão de Rua. “Durante nossas reuniões no albergue, começamos a perceber a necessidade dos rapazes com relação a roupas limpas”, diz o pastor Matheus Dias, capelão do Colégio Adventista. “Então levamos a proposta para os nossos alunos ajudarem esses moradores de rua, e eles movimentaram a escola, desde a classe dos pequenininhos até os de maior idade. Como resultado, cerca de 600 peças de roupas e calçados foram arrecadados e doados para beneficiar os moradores do albergue”, alegra-se.

Centenas de peças de roupas foram arrecadadas para doação. Foto: Mayra Marques

Centenas de peças de roupas foram arrecadadas para doação. Foto: Mayra Marques

De acordo com Cristian Alexandre da Silva, coordenador do Núcleo Cidadão de Rua, a parceria dos voluntários do Colégio Adventista tem sido de grande valia. “As pessoas atendidas pelo Núcleo já se acostumaram com a aproximação dos voluntários e frequentemente perguntam quando ocorrerá a próxima visita”, comenta. “Sem contar que muitos deles se sentem importantes e valorizados e querem contar suas histórias de vida”, acrescenta.

Sobre as doações das roupas e calçados, Silva afirma que chegaram em boa hora. “Estávamos com o estoque no fim, pois a demanda de roupas masculinas é muito grande. A maioria dos moradores de rua não tem mais o hábito de lavar suas roupas, que são usadas e descartadas. Então, com as doações iremos atender prioritariamente aqueles usuários que estão a dias com a mesma roupa”, afirma. O coordenador parabeniza o Colégio Adventista pela iniciativa e parceira e o grupo Geração 148 da instituição, que arrecadou as roupas para doação. “É uma forma de eles mostrarem a realidade em que vivemos para alunos, pais e colaboradores da instituição, no sentido de minimizar um pouco a vida do ser humano que necessita de nossa ajuda”, pontua Silva.